Cotações Cotrisal para 11/08/2020

Soja

Milho

Trigo (pH 78)

Notícias

21/02/2020 - 13:48
Dia de Campo Cotrisal apresenta inovações e tendências para o agronegócio
Nos dias 12, 13 e 14 de fevereiro, foi realizado o Dia de Campo Cotrisal – Gerando Conhecimento e Superando Desafios, uma grande vitrine de sementes, insumos, defensivos, máquinas e implementos agrícolas oportunizou aos visitantes a troca de saberes e experiências, aproximando a cooperativa e as empresas parceiras dos produtores associados.

Organizado pela Cotrisal no seu campo experimental, o Dia de Campo recebeu mais de três mil visitantes em busca de técnicas para produzir de forma lucrativa, sem descuidar da sustentabilidade.

Para o presidente da Cotrisal, Walter Vontobel, o sucesso da cooperativa é fruto do sucesso de todos os associados, por isso uma das principais preocupações da gestão é o bom andamento de todos os produtores assistidos. “Para a cooperativa continuar crescendo, o associado tem que crescer também e é nisso que temos concentrado os nossos esforços, buscando oferecer mecanismos para que os nossos agricultores produzam com mais lucratividade e sustentabilidade. E esse trabalho já tem dado resultado, pois nos últimos anos, dentro das mesmas áreas de terra, os produtores assistidos pela Cotrisal têm conseguido colher cada vez mais, safra após safra”, destacou.

Segundo ele, para levar conhecimento e inovação direto da área técnica e das empresas parceiras até os associados, o Dia de Campo tem importância estratégica. “Desde a primeira edição, o Dia de Campo Cotrisal tem sido um meio muito eficiente para aproximar as novidades do agronegócio dos nossos produtores assistidos. É a tecnologia mais perto do associado sendo colocada em prática, pois no evento ele é o protagonista e vai buscar o que mais lhe interessa saber. As estratégias a serem abordadas no Dia de Campo são definidas conforme a necessidade das propriedades e o que tem de mais adequado para a nossa região e assim se consegue fazer essa transferência de conhecimento com muito mais eficiência”, explicou Vontobel.

O presidente da Cotrisal lembra que cada vez mais os produtores estão ávidos em busca de novas tecnologias e técnicas de produção para produzir mais e melhor. “E é justamente isso que buscamos oferecer a eles em eventos como o Dia de Campo. A ideia é expor as cultivares e técnicas de manejo de forma realista e prática para que os nossos associados consigam realmente levar o que foi apresentado no Dia de Campo para o dia a dia na propriedade. Assim o evento consegue atingir seu intuito que é contribuir para o aumento da produtividade das lavouras de forma sustentável”, concluiu Walter.

Dia de Campo Cotrisal é mais um elo entre a cooperativa e o associado

Para o Gerente de Insumos da Cotrisal, Maicol Serafini, o Dia de Campo Cotrisal atingiu seu intuito que foi apresentar aos produtores assistidos pela cooperativa as principais inovações, tecnologias e tendências para o agronegócio da região. “A proposta do evento é trazer as últimas novidades do Agro para mostrar para os nossos associados para que eles consigam ver de perto tudo o que tem de melhor e mais adequado na agricultura e também levar esse conhecimento para aplicar lá na propriedade. Nosso Dia de campo foi uma grande mostra de novos cultivares de soja, híbridos de milho, plantas de cobertura, insumos e maquinários de ponta que podem ser usados para alavancar a produtividade”, explicou.

Ainda segundo ele, neste ano a terceira edição do evento teve como foco a conservação do solo. “Como o solo é a base de tudo, ele precisa ser preservado. Por muitos anos o solo esteve em segundo plano na agricultura, mas agora pretendemos retomar essa importância primordial que ele tem para o sucesso da lavoura. Por isso dedicamos um espaço no Dia de Campo para apresentar possibilidades de preservação e recuperação do solo, como por exemplo as melhores alternativas de cultura para serem implantadas no vazio outonal, para não perder os nutrientes nesse período, não ter erosão e manter uma boa camada de matéria orgânica. É preciso investir em técnicas corretas de manejo do solo, pois ele é a chave para se ter uma boa produtividade, pois com o solo equilibrado e com os nutrientes certos é possível alavancar os patamares de produtividade atual. Assim, conservar e fazer um bom uso do solo é a base para a construção de um futuro sustentável na agricultura”, comentou Maicol.

Serafini ressaltou ainda a importância do trabalho da área técnica e de pesquisa, além dos pesquisadores dos fornecedores de insumos e empresas parceiras para buscar as inovações tecnológicas e tendências de mercado e trazer de forma acessível para que os associados possam replicar o conhecimento em suas lavouras. “O Dia de Campo é, além de uma grande vitrina de sementes e insumos, uma mostra de tecnologia e de manejo, que oportuniza aos produtores assistidos pela cooperativa conhecer de perto o que é feito pela área técnica no campo experimental e acompanhar os resultados dos cultivos para ver o que melhor se adapta a realidade da sua propriedade. A ideia é que, ao visitar o evento, o agricultor absorva o máximo possível das informações repassadas pelos pesquisadores, leve para casa o que achou de mais interessante e adeque ao seu dia a dia, sejam variedades de soja recém-lançadas, novos híbridos de milho, implementos agrícolas ou agroquímicos com tecnologia de ponta”, concluiu o gerente de Insumos.

Vitrine de variedades de soja é destaque no Dia de Campo Cotrisal

Segundo o Gerente Técnico da Cotrisal, Marcio Witter, uma das propostas do Dia de Campo é fazer com que o produtor assistido pela cooperativa tenha acesso a sementes de qualidade, insumos e novas tecnologias para elevar a lucratividade de sua propriedade, reduzindo custos e aumentando a produtividade da sua lavoura. “Assim como o próprio nome já diz, a ideia é gerar e compartilhar conhecimento e superar os desafios para crescer cada vez mais com sustentabilidade e alcançar bons resultados com investimentos eficientes. Para isso todo o departamento técnico tem um papel fundamental, pois não é só transferir o conhecimento, é preciso prestar uma assistência personalizada e assertiva de acordo com a necessidade e a realidade de cada associado. Por trás do Dia de Campo está todo um ano de trabalho realizado no campo experimental, onde são testadas as variedades, fertilizantes, defensivos e tecnológicas para se certificar de sua eficácia antes de fazer qualquer recomendação aos produtores. Sempre que nós projetamos um Dia de Campo, além de trazer novidades em cultivares e produtos, nossa preocupação é fazer com que os visitantes consigam compreender o que está exposto e levar para adaptar na sua propriedade. Nas últimas edições percebemos que os nossos associados transferem para sua lavoura aquilo que eles veem como um benefício e nesta organizamos um evento de forma que seja palpável identificar o que vai agregar lucratividade e sustentabilidade. Os cultivos e as tecnologias que mostramos na prática no Campo Experimental foram planejados para apresentar aos produtores o que temos certeza que vai ajudar a ter um melhor resultado na propriedade”, explicou.

Em relação a vitrine de variedades de soja que teve um espaço de destaque nessa edição do Dia de Campo Cotrisal, Marcio esclareceu que ela ficou bem dinâmica e apresentou de forma prática como as diferentes cultivares se comportam no caso de uma deficiência hídrica conforme a época em que é feita a semeadura. “Por exemplo, com o mesmo manejo, a semeadura da soja foi feita em duas épocas distintas, com 16 dias de diferença entre elas, e com o período estiagem que tivemos foi possível perceber na prática e mostrar aos produtores como os materiais se adaptam de formas diferentes a época de semeadura desde a arquitetura de planta até o potencial produtivo, além de quais tem maior ou menor resistência a deficiência hídrica. Também foi possível verificar os benefícios de plantas de cobertura de solo para reduzir a lixiviação e a erosão, além de manter a umidade”, apontou o Engenheiro Agrônomo.

Embrapa

Dentro da temática principal do Dia de Campo Cotrisal, a Embrapa esteve presente abordando a importância de se investir na descompactação do solo através da cobertura do solo, utilização de plantas com raízes profundas, fluxo da água no solo e sistema de plantio. O Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Jorge Lemainski, fez apresentações e orientou visitantes sobre a temática, esclarecendo dúvidas e apontando soluções para a descompactação do solo.

“Estamos trazendo o tema que enfatiza a importância de algumas práticas fundamentais e clássicas na agricultura. O grande desafio é segurar a água onde ela cai na lavoura. A água é o melhor adubo. Trouxemos a estação de um simulador de chuva onde demonstramos na prática o que significa, em termos de retenção de água na lavoura com o plantio em contorno em relação ao plantio morro acima, morro abaixo, e o impacto que isto causa em perdas de nutrientes e, consequentemente, no resultado final da safra.

Em experimentos realizados em 31 lavouras em diferentes regiões do Estado, avaliamos o que tem no sedimento que saiu da lavoura e o que tinha, decorrente do manejo do solo. Observamos que nas lavouras, tínhamos 17 ppm de fósforo, elemento essencial para a planta (para se ter uma ideia, 1 ppm significa o uso de 100kg de super fosfato simples). Nas análises dos sedimentos, percebemos o que saiu da roça: 57 ppm; ou seja, para eu repor essa perda, teria que aplicar 5700 kg de super fostato simples. E isso só pela escolha de como é feito o plantio, no caso, morro acima, morro abaixo, mais utilizado pelo seu baixo custo, no entanto, de grande impacto, pois o produtor terá que fazer mais investimentos para repor o fósforo perdido, refletindo no ganho final da colheita. E ainda há os outros nutrientes.

E para segurar a água onde ela cai, temos três situações fundamentais. A primeira: ter o plantio em contorno. Segunda: ter permanentemente planta viva e planta morta no chão. A construção dos agregados do solo que deixarão a água e o ar disponíveis para a planta, debaixo da terra, é feita com a interação da raiz, matéria mineral e micro-organismos. Por isso também a importância da escolha do plantio de variedades de cobertura do solo que possuem raízes profundas, como o capim-sudão, milho, milheto e sorgo. É a grande oportunidade de ser usada agora, na saída da soja, essa ‘adubação verde de outono’, para começar o processo de tornar o solo ‘esponja’ para ter ar e água para as plantas. E o terraço, que atua como um ‘goleiro’ na lavoura, ou seja, segura água em determinados locais, reduzindo a área contínua por onde há escoamento das águas das chuvas. E quando há baixa umidade, sol ou vento, que secam a terra, a água acumulada atua como proteção, mantendo o solo úmido.

Este é o caminho da agricultura saudável, rentável, da redução dos riscos de quebra das safras em anos de baixa chuva normal e da possibilidade de ganhos em anos com chuva normal. Estas são ações para reduzirmos os riscos causados pela compactação e adensamento do solo, que hoje é o principal desafio da agricultura brasileira.

RTC / CCGL aborda plantas para cobertura do solo e melhorias no perfil do solo

Dentro da temática da 3ª edição do Dia de Campo Cotrisal, foram apresentadas pela CCGL e Rede Técnica Cooperativa, juntamente com a Cotrisal, algumas culturas de plantas de cobertura de entressafra e seus benefícios. O professor, Coordenador Mestre da Unicruz, pesquisador e Dr. de Solos, Jackson Fiorin, a e a engenheira agrônoma encarregada do Laboratório de Fitopatologia da CCGL, Elaine Deuner, recebiam os visitantes e apresentavam as pesquisas e benefícios das culturas apresentadas nas safras e conservação do solo. Uma “trincheira” aberta deixava à mostra as raízes das plantas, mostrando o significado e importância delas para o solo e, consequentemente, para as plantas de safras principais absorverem os nutrientes e água do solo.

Jackson Fiorin falou sobre a temática apresentada no estande da CCGL/RTC.

“Trouxemos para os agricultores opções de plantas para a cobertura do solo na entressafra e mostramos o que elas trazem de benefício para o solo e safras futuras. Temos o sorgo, o capim-sudão, a Crotalária-spectabilis, e o milheto. Estes foram escolhidos por serem mais adaptados à região. Estas espécies podem ser plantadas logo após a colheita da soja, sendo uma alternativa de cobertura de solo, principalmente por aqueles agricultores que não têm preferência pelo plantio do milho. A entressafra é um período crítico e propícios para erosão, devido às chuvas intensas. Essas espécies, além de protegerem, têm condições de melhorar o solo através de seu sistema de raízes, estruturando o solo e trazendo nutrientes para cima, novamente ao ciclo produtivo das lavouras principais. ”

Elaine Deuner falou sobre nematoides

“Apresentamos aos produtores informações sobre nematoides, o que são e causam nas lavouras, controle e algumas coberturas que estão associadas à fertilidade do solo. Nos solos agrícolas geralmente existem diferentes espécies de nematoides, sendo que uma parcela substancial dessa comunidade se alimenta diretamente das raízes de plantas, às vezes causando doenças. Plantas atacadas por nematóides caracterizam-se pelo baixo vigor e pouco desenvolvimento da parte aérea. Então a importância de se controlar a proliferação para ter melhores resultados na cultura instalada. Exemplos o milheto ADR300 e a Crotalária-spectabilis, que têm fator de multiplicação 0 dos nematoides, e o capim-sudão (em torno de 0,6). Essas variedades são indicadas para proteção do solo, infiltração de água – pois as raízes são profundas – absorver nutrientes e preparar o solo para as culturas posteriores, evitar erosão e diminuição de doenças. Como há ocorrência de doenças causadas por nematoides na região, essas culturas são indicadas para diminuir os níveis de nematoides, pois se não houver manejo das culturas, não haverá controle significativo. Então, essas variedades apresentadas, além de contribuírem significativamente para cobertura e conservação do solo, contribuem para a redução de nematoides. ”

Emater

A participação da Emater no Dia de Campo da Cotrisal serviu para destacar a importância que tem o envolvimento dos setores ligados à produção agrícola e quando esses setores trabalham juntos para um objetivo em comum, que é o crescimento dos produtores rurais.

Alencar Paulo Ruggeri, diretor técnico da Emater, veio de Porto Alegre para o Dia de Campo e corroborar a participação da entidade no evento.

“Para nós é extremamente importante, porque tanto nós, como a Cotrisal, fazemos parte da sociedade. Nós (Emater) estamos presentes em 497 municípios do RS e que bom que hoje temos esse avanço na relação com a Cotrisal, inclusive em trabalhos específicos, como nos casos de capacitação dos aplicadores. Estando hoje diretor técnico e participar deste passo à frente é muito prazeroso, e muito disso se deu em função da relação do Luciano Schwerz (hoje chefe regional) com a Cotrisal. Somos uma entidade e uma empresa que trabalham para o desenvolvimento rural; o trabalho da nossa instituição é calcado em cima de um pilar que também é da Cotrisal, que é gestão, planejamento e profissionalismo. Esse estreitamento das relações é extremamente positivo para o desenvolvimento da região em se tratando da agricultura. Agradecemos à Cotrisal o convite e podermos estar juntos neste momento, trabalhando para o crescimento da agricultura, pois hoje fazemos parte de um sistema onde cada um tem a sua particularidade e o seu papel; a Emater leva ao produtor três coisas: informação, conhecimento e tecnologia. ”

Chefe do escritório Regional da Emater, Luciano Schwerz, também esteve no Dia de Campo Cotrisal.

“Nossa participação é um processo de aproximação, um elo de ligação da extensão rural, da assistência técnica, nesse grande conjunto de atividades que envolve o meio rural e que busca o desenvolvimento com sustentabilidade e rentabilidade. Estamos muito felizes com esta participação. Apresentamos em nosso espaço a olericultura, alternativas para a safrinha, para impulsionar o plantio de milho na região, tecnologias de aplicação de produtos… enfim, é um afinamento do discurso e do dia a dia da assistência técnica das empresas, Cooperativa e Emater. Hoje não temos mais espaço para que cada entidade busque sua caminhada independente, precisamos estar juntos, pois o objetivo é um só: fazer o desenvolvimento rural sustentável e econômico. E nesse dia de Campo estamos vendo uma estrutura fantástica, um percurso que possibilita ao produtor visualizar cultivares, aspectos de adubação, fertilidade do solo, tecnologia, informação e diversidade para o plantio, possibilitando ao produtor conseguir ganhos em sua propriedade. ”

Biotecnologia em sementes chama a atenção no Dia de Campo Cotrisal

Se as lavouras fossem um veículo, as sementes seriam o motor. É dentro delas que está armazenado todo o potencial produtivo da futura planta. Por isso, para que as sementes expressem toda a sua potencialidade, é preciso que elas sejam bem selecionadas e tratadas corretamente, garantindo assim uma boa safra.

Há mais de quatro décadas, a Cotrisal comercializa sementes de produção própria. Com uma Unidade de Beneficiamento de Sementes (UBS) moderna e tecnológica, a cooperativa expande sua atuação no segmento apostando forte na biotecnologia. Para o Gerente de Produção e Comercialização da Cotrisal, Fábio Luiz Lopes Jacobsen, a biotecnologia em sementes garante a alta produtividade no campo. Atuando diretamente na produção e comercialização de sementes de soja, trigo e aveia, além da comercialização de sementes de milho, sorgo, demais forrageiras, ele ressalta que investir em uma semente de qualidade é fundamental para se obter uma boa colheita. “Se errar na semente, que é a primeira tecnologia que vai para o campo, não tem nenhum químico ou fertilizante que vai conseguir reverter o processo. Por isso o agricultor sempre deve ficar atento a certificação, ao tratamento e a rastreabilidade da semente. E o Dia de Campo é uma possibilidade para ele saber mais sobre isso. Hoje, grande parte do retorno que o produtor tem com a colheita da lavoura é em cima de biotecnologia. Nos últimos anos, a área de melhoramento genético evoluiu muito. A cada safra são lançadas novas cultivares de soja, mais resistentes, com mais precocidade e mais bem adaptadas a região, e novos híbridos de milho, mais precoces, com produtividade melhor e bom custo-benefício, por isso sempre buscamos oferecer aos associados o que tem de mais moderno no mercado e melhor adaptado para a realidade deles. Trabalhamos alinhados com o Detec que recebe as demandas deles em relação as cultivares e para garantir ainda mais segurança e conhecer o potencial produtivo dos materiais, sempre testamos no Campo Experimental um ano antes de oferecer as sementes ao produtor. Realizar o Dia de Campo na área de experimentos é uma forma de alinhar a parte de pesquisa e técnica com a prática no campo, apresentando ao produtor formas viáveis dele levar a tecnológica para replicar na propriedade”, explicou.

 

Eficiência e precisão no Agro

Se o solo é a base de uma boa safra, a cereja do bolo são os maquinários com tecnologia de ponta. Cada vez mais presentes no campo, as inovações tecnológicas têm facilitado o dia a dia na lavoura e proporcionando mais agilidade, eficiência e precisão na execução das tarefas: do plantio a colheita.

Durante os três dias de evento, muitos associados passaram pelo estande de Peças e Implementos para conferir as novidades e saber mais sobre os equipamentos e máquinas agrícolas expostos. Gerente de Negócios dos Setores Peças, Implementos Agrícolas e Ferragens da Cotrisal, Odair Buffon, destacou que o objetivo da participação do departamento no Dia de Campo foi justamente apresentar o que essas tecnologias podem fazer pelos produtores. “A mecanização da produção revolucionou a agricultura, diminuindo o trabalho braçal e o uso da tração animal e aumentando a produtividade. Hoje as máquinas agrícolas têm um papel fundamental no Agro, pois são elas que garantem a eficiência e a precisão na hora de fazer o manejo da lavoura. Para proporcionar o acesso dos nossos associados a essas tecnologias trabalhamos com uma grande variedade de produtos, principalmente com foco na linha de plantio e pulverização, com vários tipos de pulverizadores e plantadeiras com sistema a vácuo, que são máquinas mais eficientes, além de guindastes para carregar carga nos caminhões e implementos para preparação de solo. Tudo isso com suporte técnico pós-venda, garantindo aos produtores assistidos pela cooperativa produtos com a qualidade de marcas já consolidadas no mercado e a segurança do suporte necessário para o bom uso do equipamento. Além disso temos uma ampla variedade de peças agrícolas a pronta-entrega para atender ao plantão todos os dias da semana e fazer a entregar direto nas propriedades, sem custo adicional. Para isso basta o produtor entrar em contato com o departamento responsável”, explicou.

Bem nutrir para produzir bem

Não é de hoje que a integração entre lavoura e pecuária tem formado uma parceria de sucesso. Na região de abrangência da Cotrisal – que atua tanto no recebimento de grãos como na captação de leite, entre outras atividades – uma grande parte dos produtores rurais trabalha com a produção de grãos aliada a bovinocultura de leite.

Presente no Dia de Campo da cooperativa, a unidade de pecuária foi muito procurada pelos produtores em busca de novidades e formas de agregar rentabilidade a produção. Assistente de campo da Cotrisal, Maicon Galuppo, explica que dentro da linha de rações são oferecidos diversos produtos tanto para aves, como para suínos, gado de leite e corte, para atender as diferentes necessidades nutricionais dos animais nas várias fases da vida. A Cotrisal possui uma das Fábricas de Rações mais modernas do Estado do Rio Grande do Sul, com um processo produtivo automatizado para garantir o alto padrão de qualidade e uma capacidade de produção que atende as diferentes necessidades dos associados. “Para nós o evento foi muito importante para demonstrar a qualidade da ração produzida pela fábrica e expor os diferentes produtos que temos a oferecer para proporcionar mais benefícios e agregar rentabilidade para os produtores. Apresentamos novas linhas de rações e explanamos para os produtores sobre as novas tecnologias que estão surgindo no mercado, principalmente em relação a aditivos buscando um maior conforto, saúde e bem-estar animal. Sabemos que nossa região é formada basicamente por pequenas propriedades agrícolas e na cadeia produtiva do leite vemos muitos produtores querendo desistir da atividade em função da necessidade de novos investimentos e a adequação às novas normativas, mas a gente trabalha no dia a dia no campo para que eles não desistam e tenham o suporte necessário para continuar na atividade. Para isso trabalhamos com foco no melhor custo-benefício, com o intuito de otimizar a produção de leite dos animais através da formulação de dietas eficientes para aumentar a rentabilidade líquida e fazer a atividade valer a pena financeiramente”, disse.

 

Veja também