Cotações Cotrisal para 01/04/2020

Soja

Milho

Trigo (pH 78)

Notícias

30/09/2015 - 11:40
Cotrisal participa de reunião técnica sobre produção e armazenamento de trigo - Programa Alimento Seguro – PAS Trigo
No dia 18 de setembro, o engenheiro agrônomo Gilmar Luzzi, do Departamento Técnico da Cotrisal participou de uma reunião na Embrapa Trigo em Passo Fundo, juntamente com outros departamentos técnicos de cooperativas, cerealistas, assistência técnica e extensão rural, sindicatos rurais e instituições parceiras ao Programa “PAS” Trigo livre de resíduos de Glifosato e de outros defensivos.

 No dia 18 de setembro, o engenheiro agrônomo Gilmar Luzzi, do Departamento Técnico da Cotrisal participou de uma reunião na Embrapa Trigo em Passo Fundo, juntamente com outros departamentos técnicos de cooperativas, cerealistas, assistência técnica e extensão rural, sindicatos rurais e instituições parceiras ao Programa “PAS” Trigo livre de resíduos de Glifosato e de outros defensivos.


Estiveram presente no encontro, Chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal do MAPA, José Fernandes Werlang, Produção de Trigo Seguro, Controle de Doenças, José Maurício Cunha Fernandes, Embrapa Trigo, Controle de Insetos Pragas, Paulo Roberto Valle da Silva Pereira, Embrapa Trigo, Dessecação em Pré-Colheita Leandro Vargas e João Leonardo Pires, Embrapa Trigo e Micotoxinas Cassiane Salete Tibola, Programa Alimento  Seguro – PAS e o PAS Trigo – Leonir Martello, Coordenador de Educação Profissional e Tecnologia do Instituto SENAI de Tecnologia.


Na oportunidade pesquisadores, representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) além do Senai propuseram a elaboração de um plano de trabalho com ações que assegurem a qualidade do trigo desde a produção até a armazenagem.


Segundo o engenheiro agrônomo Gilmar o principal problema apontado pelos órgãos de vigilância têm sido a presença de resíduos de contaminantes químicos no trigo. “Durante o processo de produção e comercialização do trigo, os grãos podem ser contaminados por diversos tipos de agentes físicos (fragmentos de insetos, pedras e outros materiais), biológicos (micotoxinas, microorganismos, ácaros, pombos e roedores) ou químicos (resíduos de pesticidas e metais pesados)”, explica Gilmar, ao destacar que entre os contaminantes, os resíduos de agrotóxicos são os que mais têm chamado a atenção das autoridades no Rio Grande do Sul.“As entidades de pesquisa e vigilância sanitária condenam uma prática proibida, mas utilizada por muitos produtores mesmo de forma ilegal: a dessecação do trigo na pré-colheita, a qual pode resultar em grãos contaminados pelo produto aplicado”, ressalta o engenheiro agrônomo da Cotrisal. Ele conta que além da dessecação, práticas como dosagem inadequada de defensivos, uso de produtos não registrados para o trigo, mistura de grãos com sementes tratadas e desrespeito aos prazos de carência para o consumo são algumas falhas no manejo que resultam em contaminantes no produto final.


O representante do Ministério da Agricultura José Fernandes Werlang salientou que serão fiscalizados depósitos armazenadores de trigo, bem como o produto e quantidade de resíduos de defensivos agrícolas, níveis de micotoxina e resíduos sólidos encontrados nos grãos e tolerados pelo Ministério da Agricultura. Werlang explicou que os produtores que associarem-se ao PAS, já utilizando os novos parâmetros de qualidade, os quais estarão em vigor a partir de 2017, terão produto rastreado, com facilitação de venda. "A solução precisa ser sistêmica, com a visão de toda a cadeia produtiva. É preciso admitir que não adianta ter trigo de qualidade comercial se o alimento estiver contaminado com resíduos de agrotóxicos", conclui o representante do Ministério da Agricultura, José Werlang.

Veja também